top of page
  • Foto do escritorValeska Petek

Sua Próxima Entrevista: 3 passos para ser persuasivo ao contar sua história


Você quer trocar de emprego, mas:


😬 Se sente "enferrujado" após muito tempo sem participar de entrevistas?

🚫 Ou então até participou de alguns processos, mas não avança depois dessa etapa?

Então este artigo é para você. Vem comigo! 👇🏻


1) HAJA CORAÇÃO 🤯


Já entrevistei candidatos que entravam na sala com se houvessem sido convocados para um interrogatório. As mãos suavam, suas vozes tremiam e seus pés faziam movimentos repetitivos (e direcionados para a porta), o que indicava um desejo de sair daquela situação o mais rápido possível.


Não seria justo julgar nenhum deles.

  • E se aquela fosse sua primeira entrevista de emprego?

  • E se, ao contrário, ele já tivesse passado por várias entrevistas recentemente, e as experiências negativas foram se acumulando?

  • E se ele está passando por problemas pessoais, financeiros ou emocionais, e essa entrevista representa um recomeço ou a realização de um sonho?

Quando atuava como Recrutadora, em situações como essa eu buscava técnicas para melhorar o clima daquelas conversas. Por exemplo: me levantava, pegava um copo d'água 🍶 e oferecia ao candidato, reforçando que o intuito da conversa era que pudéssemos nos conhecer. Os segundos que o candidato levava para beber água eram suficientes para os ombros ficarem mais relaxados e a respiração soar mais tranquila. Com um sorriso no rosto, eu retomava a entrevista.

Um candidato calmo transparece mais confiança pois, sem a turbulência do nervosismo, há mais clareza em sua mente ao elaborar suas respostas e comunicá-las ao entrevistador.

Por isso, o primeiro passo para ir bem na sua próxima entrevista é fortalecer sua inteligência emocional para administrar suas emoções nesse momento.

2) COMUNICAÇÃO NÃO-VERBAL 👀🤌

Com o nervosismo aflorado, é natural que nosso corpo comunique isso por meio de elementos de comunicação não-verbal, como expressões do rosto, postura, gestos e tom de voz (o que reforça a importância de seguir o passo 1).

Ainda assim, mesmo quando um candidato está tranquilo, vale a pena atentar-se a esses elementos. Afinal, eles comunicam (transmitem uma imagem) com ainda mais impacto do que o conteúdo falado. Aqui vão alguns exemplos:


  • A famosa recomendação de apresentar um sorriso é real: essa expressão estimula que outras pessoas nos sorriam de volta (devido aos neurônios-espelho). Atenção à coerência: evite sorrir forçadamente - o "sorrir também com os olhos" 😃 transmite mais sinceridade;

  • Não tenha medo de ocupar seu espaço: substitua ombros caídos por uma postura confiante. Cuidado apenas com a dose: queixo erguido a mais de 90º pode dar a impressão de arrogância 🧐. O caminho do meio (nem se diminuindo e nem sendo muito expansivo) costuma funcionar bem;

  • Gestos fazem parte da comunicação de pessoas de todos os perfis, dos mais reservados aos mais comunicativos. Minha principal sugestão é focar na naturalidade, ou seja, gesticular de forma semelhante à que você já está acostumado. Em adição a isso, recomendo manter as mãos à mostra, por exemplo: em cima da mesa em vez de embaixo dela, e fora dos bolsos em vez de dentro deles. Se lembra da expressão "mãos ao alto"? 💁 Não é à toa que mostrar as mãos dá a sensação de transparência;

  • Modular o tom de voz 🗣 é uma forma de transmitir mais emoção (e convencimento) às histórias contadas. Ao conversar com amigos é natural variarmos elementos como o volume, a velocidade, as pausas, e as ênfases. Essa naturalidade, portanto, deve estar presente em um contexto de entrevista;

  • A escolha do vestuário também comunica. Aqui, o ideal é equilibrar o perfil da organização (mais formal ou mais descolada) com seu próprio estilo. Roupas de entrevista vão muito além das camisas sociais 👔.


3) CUIDE DO CONTEÚDO 💬

Em uma entrevista de emprego, quando se trata das respostas em si, sempre reforço aos meus mentorados o princípio número 1: honestidade.

Ser sincero é inegociável. Não há desculpa. Desista da ideia de criar um personagem perfeito - ele não existe e o entrevistador sabe disso.

Dito isso, vamos ao 2º princípio: treino. Para isso, sugiro três passos:

  • PLANEJAMENTO: liste as principais perguntas das entrevistas de emprego e elabore suas respostas antecipadamente. Recomendo escrevê-las ✍, pois assim você pode apagar e reescrever, organizando melhor suas ideias. Para inspirar-se recomento a leitura de Perca o medo da entrevista: como se "vender" como o melhor candidato e O Que Perguntar na Entrevista de Emprego: 5 sugestões estratégicas.

  • SIMULAÇÃO: pode ser em frente ao espelho ou gravando um vídeo para si mesmo. Assim como qualquer habilidade (como andar de bicicleta🚲), é na prática que nos aprimoramos. Repita esse passo até que se sinta mais confortável.

  • FEEDBACKS: tenha pessoas de confiança que possam te dar feedbacks relevantes, assim você poderá ir além 🔍 das suas percepções individuais. Aqui, vale a pena contar com um Mentor de Carreira que te transmita confiança.

Lembre-se: a entrevista é uma oportunidade de contar a sua história. Seja você mesmo, destacando os pontos mais relevantes para a vaga. A vaga certa é aquela que mais combina com o perfil que você já tem :)


Os 3 tópicos deste artigo são aprofundados no curso Minha Próxima Entrevista. Além de ter acesso ao conteúdo completo, nele você realiza uma simulação ao vivo comigo para te ajudar a ter feedbacks personalizados: valeskapetek.com/minha-proxima-entrevista


O que fazer agora?


-

Artigo publicado originalmente aqui.

Comments


bottom of page