top of page
  • Foto do escritorValeska Petek

Whenever Life Crisis: e como ela pode ser o impulso que te faltava


"Não tenho ideia do que estou fazendo da minha vida" é um pensamento comum em uma fase de crise. Embora seja mais comum ouvirmos falar sobre uma "crise de meia-idade" ou uma "crise dos 30", ela pode acontecer em qualquer momento da vida (daí o termo whenever life crisis).


Neste artigo, falo especialmente com você, que tem um emprego mas sente-se infeliz. Em um mundo com mudanças rápidas, não faz mais sentido esperar o momento perfeito para uma mudança de carreira. Inclusive, nessa ideia de ter uma vida mais feliz, o autor Timothy Ferriss traz o conceito de "pequenas aposentadorias ao longo da vida" em seu livro Trabalhe 4 Horas por Semana (não se assuste com o título, vale a leitura para colher ideias e adaptar para a sua realidade).

Se você se sente perdido sobre o que gostaria de fazer daqui pra frente, quero te lembrar que você não está sozinho. Esse tipo de dúvida acompanha profissionais de várias idades e áreas de atuação.

Há várias formas pelas quais podemos processar esses questionamentos, transformando-os em alternativas válidas que te aproximem da carreira dos seus sonhos.


Claro que não há receita mágica que funcione para todos (só você sabe "onde o seu calo aperta"). Mesmo assim, creio que enxergar a trajetória de outras pessoas que também enfrentaram momentos de crise irá te trazer, no mínimo, uma nova perspectiva. Quem sabe até um incentivo? 🤍


Confira aqui exemplos de casos reais que eu mentorei, divididos em 3 tipos de resoluções, que você também pode ter após uma análise adequada do seu momento.


1) VOCÊ PODE CONTINUAR ONDE ESTÁ, E PELOS MOTIVOS CERTOS

Atendi um profissional experiente que tinha dúvidas se deveria continuar na mesma empresa após muitos anos. Afinal, ele até gostava de lá, mas havia ouvido falar que o mercado o veria como alguém acomodado - e ele tinha medo de estar confortável demais, de estar perdendo tempo e oportunidades.


No caso dele, analisamos seu perfil e definimos objetivos de carreira. Por fim, entendemos que fazia super sentido continuar onde estava: em uma empresa que oferece oportunidades de aprendizado e crescimento, um ano nunca era igual ao outro, e ele sentia que estava evoluindo nas habilidades que pretendia desenvolver. Ou seja, estar naquela empresa não representava estagnação e ele tomou a decisão de continuar nela.


Caso o cenário mude e, um dia, ele optar por buscar novas oportunidades, já tem referências para uma entrevista: saberá como descrever essa experiência extensa, reforçando como ela passou longe de um comodismo.


2) VOCÊ PODE DESCOBRIR CAMINHOS INTERMEDIÁRIOS

Uma profissional que orientei, de 20 e poucos anos, sentia-se frustrada pois, logo após investir no sonho de ter uma loja de roupas, os desdobramentos da pandemia afetaram seu faturamento. Na época, mesmo o atendimento a domicílio e personalizado não foi capaz de gerar uma demanda suficiente. Por motivos financeiros (afinal, as contas continuavam chegando), ela optou por buscar um emprego como funcionária, mas não sabia por onde começar.


Analisamos seu perfil e definimos objetivos de carreira. Entendemos que o sonho de ter sua loja continuava fazendo sentido, e que para ele ter sucesso no futuro, era necessário buscar alguns conhecimentos e experiências que ela ainda não tinha. Foi aí que percebemos que atuar como funcionária em uma loja de roupas já consolidada era uma boa ideia.


Assim, ela tinha a oportunidade de suprir uma demanda financeira imediata ao mesmo tempo em que aprendia sobre estoques, técnicas de vendas e até estratégias de comercialização online. Assim, enquanto funcionária, ela também enriquecia seu repertório para voltar a empreender no futuro.


3) VOCÊ PODE PEGAR CARONA NESSE MOMENTO E DAR UMA REVIRAVOLTA


Mentorei uma profissional de Comunicação que havia vivido quase todas as experiências que a área pode proporcionar: diversos segmentos, em empresas de variados portes. Ao sentir-se generalista, ela queria escolher uma área para se especializar, mas não sabia como tomar essa decisão.


Juntas, analisamos seu perfil e definimos objetivos de carreira. Ao conversar sobre hobbies, ela mencionou sua paixão por alguns projetos voluntários - foi uma pista para resgatarmos uma motivação que já existia, que a levou a migrar do mundo corporativo para organizações do terceiro setor. A profissão foi mantida, mas a dinâmica de trabalho foi significativamente alterada, em um formato que trouxe mais significado e felicidade para ela.


Outro exemplo desse desfecho sou eu mesma: após sair do mundo corporativo (em uma demissão, durante a pandemia, logo após um divórcio), enfrentei uma fase de questionamentos e análises, que me levaram a colocar em prática o plano de empreender. Hoje, atuo totalmente online e pude viajar por outros estados e países. Ou seja, peguei carona em algo que eu não havia planejado e realizei uma mudança de vida que eu já desejava.


Estamos suscetíveis, em qualquer momento da vida, a passar por fases de crises e dúvidas. Com a orientação adequada, é possível se beneficiar dessas fases para impulsionar a construção da carreira que queremos ter. E agora, como você quer direcionar a sua jornada? :)


-


Vamos juntos construir a carreira que você quer ter?



-

Artigo publicado originalmente aqui.

Commentaires


bottom of page