top of page
  • Foto do escritorValeska Petek

Planejamento Financeiro para Transição de Carreira: 5 passos


Embora não exista planejamento financeiro "tamanho único", há direcionamentos valiosos que podem contribuir para a saúde financeira de todos nós. Neste artigo, proponho refletirmos sobre caminhos importantes em uma fase da carreira que, geralmente, traz mais instabilidade: a de transição.


Para abordar o tema comigo e te ajudar a planejar como passar por mudanças como essa com mais segurança, convidei Dirlene Silva. Ela é economista e consultora financeira para pessoas físicas, empresas e organizações públicas. Vem com a gente! 👇🏻


TENHA UM PLANO DE CARREIRA CLARO 🎯

Quando Lewis Carroll, em seu livro Alice no País das Maravilhas, diz que "se você não sabe aonde vai, qualquer caminho serve", ele se referia à escolha da personagem sobre por qual caminho ela seguiria sua caminhada na floresta. Costumo usar essa frase como metáfora para ilustrar a importância de termos um plano de carreira bem definido, que reflita quem somos e nossos objetivos profissionais.


Do ponto de vista financeiro, essa clareza é não apenas recomendável, e sim indispensável.


Afinal, mesmo as mudanças mais sutis (como uma troca de setor) apresentam algum risco, como um tempo de adaptação. Quando se trata de uma transição de carreira em que há, por exemplo, mudança de profissão, esse período de mais incertezas torna-se ainda maior. Assim:

Quanto mais claros forem os objetivos e as ações descritas em um plano de carreira, mais rápido um profissional irá se consolidar e concluir a transição.

Além disso, em períodos de transição é importante estamos mais abertos a errar e aprender - e isso se torna mais leve quando o sentimento predominante é a tranquilidade, e não a ansiedade causada por dificuldades financeiras. Por isso, aqui vão 5 passos para te ajudar a preparar seu bolso para essa fase.


COMO ME ORGANIZAR FINANCEIRAMENTE PARA UMA TRANSIÇÃO DE CARREIRA? 💰


1) Organize suas finanças do presente📍


Esta etapa é recomendada em qualquer fase da vida, e é especialmente importante em uma transição. Ter uma reserva de emergência te propicia mais tranquilidade em dois aspectos:

  • Financeiro: ter um montante que cubra seu custo de vida evita dores futuras. Para isso, estabeleça bem seus custos e reserve o necessário para manter-se por, no mínimo, seis meses. Assim, sua reserva te permitirá ter um "respiro" enquanto a nova área/profissão não se torna tão rentável quanto a anterior.

  • Emocional: fases de transição costumam trazer dúvidas e inseguranças, portanto, quanto mais áreas da vida estiverem "sob controle", mais energia sobrará para ser dedicada às mudanças de carreira.

Mesmo após concluir a transição, vale a pena manter sua reserva de emergência atualizada, tanto ao repor valores utilizados, quanto ao recalcular o montante ideal. Afinal, caso haja mudanças no estilo de vida (como um aumento no custo mensal), o valor proporcional deve ser considerado: novamente por, no mínimo, 6 meses.


2) Defina um orçamento para investir em sua transição 📊


Um plano de carreira contempla, pelo menos, quatro aspectos:

  • Educação: conhecimento teórico-técnico (cursos, livros e outras fontes formais de aprendizado);

  • Experiência: conhecimento prático (vivências informais ou formais, como estágios, empregos formais, prestações de serviço, voluntariado, etc.);

  • Soft Skills: habilidades comportamentais (como comunicação, criatividade, raciocínio analítico, entre outras);

  • Networking: sua imagem profissional (como as pessoas te percebem) e como isso se reflete em sua rede de contatos.

Em qualquer transição de carreira, você precisará investir em uma ou mais dessas categorias, para melhorar sua qualificação visando o profissional que deseja se tornar. Há recursos gratuitos (que demandarão apenas tempo) e outros pagos, portanto estabeleça uma previsão de custos.


Caso sua transição de carreira envolva o empreendedorismo, lembre-se de elaborar um plano de negócios que inclua uma estimativa de investimento necessário para tirar seus planos do papel: finanças pessoais e finanças da empresa são diferentes, combinado? 😉


3) Considere fontes alternativas de renda 💸


Em alguns casos de transição de carreira, é possível haver um recuo na faixa salarial - ao menos temporariamente, enquanto o profissional ganha experiência e se torna referência na nova área. Vale a pena considerar alternativas para que essa diferença não impacte tanto o estilo de vida. Por exemplo:

  • Ensinar/mentorar profissionais que gostariam de crescer em sua área antiga, afinal, você tem muito a ensinar a partir de sua experiência (recomendo a leitura de Transição de Carreira: 3 passos para profissionais experientes);

  • Enquanto o emprego formal na nova área não se efetiva, explore outras possibilidades de trabalho que, ao mesmo tempo que trazem alguma remuneração, te ajudarão a ganhar experiência prática, como (recomendo a leitura de Precisa Ganhar Experiência? Considere uma vaga "trampolim").

4) Alinhe expectativas com familiares envolvidos 🏡


Falar sobre finanças pode ser um tabu para muitas famílias, entretanto, só podemos gerenciar o que é falado - e qualquer mudança na renda pode impactar todos os membros. Assim, uma fase de transição pode ser mais tranquila com o alinhamento de expectativas sobre temas como:

  • Haverá alguma mudança de planos nos investimentos e/ou gastos previstos (como uma viagem ou a troca de carro)?

  • Como será o apoio fornecido pelo cônjuge? Ele/ela tem condições de contribuir mais com as despesas durante essa fase de transição de carreira?

Mesmo o óbvio precisa ser dito, e no que se refere às finanças, o diálogo é o melhor caminho.


5) Considere consultar um especialista 👩🏫


Por mais que os passos anteriores façam sentido de uma perspectiva lógica, nossa relação com o dinheiro também é muito guiada por aspectos emocionais (a economia comportamental explica mais a respeito). Portanto, caso sinta dificuldade em se planejar sozinho(a), considere consultar um especialista.


Assim como eu, como Mentora, oriento profissionais de diversas áreas na tomada de decisões de carreira, há mentores focados na área financeira. Recomendo conhecer o trabalho da Dirlene Silva em seu perfil e em seu site :)


O que fazer agora?


-

Artigo publicado originalmente aqui.

Comentarios


bottom of page